Ilhas Galápagos

Ilhas Galápagos

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

As Ilhas Galápagos estão localizadas no oceano Pacífico, a mais de 1000km da costa da América do Sul e fazem parte do território do Equador. O arquipélago é uma reserva de vida selvagem com ilhas de origem vulcânica e tamanhos muito variados. Esse arquipélago ganhou notoriedade depois da chegada de seu mais ilustre visitante, Charles Darwin. O mais impressionante é que ele ficou somente 35 dias nas ilhas (na verdade em somente 4 ilhas do arquipélago), mas foi suficiente para a coleta e observação de diversas espécies de animais, que mais tarde colaboraram para publicação da “Origem das Espécies” e o desenvolvimento da teoria da seleção natural.

iguanas

O maior desafio para se organizar uma viagem para Galápagos é decidir os pontos de visitação e como se locomover entre as Ilhas, que são muitas e distantes uma da outra. Depois de muita pesquisa online, nós optamos por fazer a viagem inteira navegando, ou seja, se locomover e pernoitar no barco. Dessa forma economizaríamos tempo em trânsito, comendo e pesquisando empresas que fazem passeios diários. É possível ficar hospedados em algumas ilhas, mas você acaba ficando restrito nas opções de visitação, além dos horários serem mais fixos e você perder muito tempo para chegar nos lugares.

Como chegar e o que visitar

Para entrar no arquipélago você tem duas opções, por navio ou pelo ar, através dos voos diários que saem de Quito e Guayaquil. O aeroporto principal fica na Ilha de Baltra, onde a tripulação do barco já nos aguardava para iniciar a viagem. É possível fazer a viagem de diversas maneiras e acomodar suas limitações de tempo no itinerário, mas para visitar o arquipélago inteiro seriam necessários cerca de 15 dias. Como nós tínhamos somente 7 dias para ficar em Galápagos acabamos podendo optar entre 2 itinerários, conhecer a parte sul (algumas empresas chamam de leste, mais perto do continente) ou o lado norte (ou oeste).

No itinerário norte/oeste estão localizadas as ilhas mais novas, onde a atividade vulcânica é mais recente e a paisagem mais árida. Lá você vai encontrar praias maravilhosas e grandes bancos de corais. As principais ilhas são: Isabela, Santiago e Fernandina. Desse lado você tem mais chance de ver baleias e golfinhos, além das tartarugas gigantes. O maior problema desse itinerário e a distância percorrida entre os pontos de visitação. Pode ser bem desgastante navegar durante a noite com o barulho do motor e o cheiro de Diesel.

Já no itinerário sul/leste ficam as ilhas mais antigas onde a vegetação (em algumas delas) já tomou conta e a fauna e flora são bem mais abundantes. Você terá a oportunidade de ver uma enorme quantidade de pássaros, iguanas terrestres (assim como marinhas também) e cactos gigantes, além de ter mais chances de fazer flutuação com tubarões e pinguins. Desse lado também é possível encontrar as tartarugas gigantes, mas o lado ruim seria a proximidade das ilhas centrais, o que facilita para o excesso de visitantes nos pontos turísticos.

Acabamos optando por fazer o itinerário sul/leste que passa pelas ilhas Santa Cruz, Santa Fé, São Cristoval, Espanhola, Floreana, Santiago e Bartolomeu. No barco estava presente um guia naturalista que nos acompanhou em todos os passeios terrestres de visitação. As poucas trilhas são muito demarcadas e o controle é rígido, com limite de visitação diário para cada ilha. Nada pode ser levado e os espaços de visitação são muito bem cuidados.

A beleza selvagem e a vida animal encantam desde o início até o final da viagem. O tempo todo estamos em contato com leões marinhos, iguanas e pássaros de diversas espécies, e o mais interessante é que a nossa presença não parece assusta-los, estão sempre ao nosso lado procurando interagir. A melhor parte da viagem acontece embaixo d’água, uma concentração enorme de peixes de diversas espécies, além de ter a oportunidade de nadar junto com tubarões, arraias, pinguins, leões marinhos e iguanas marinhas. Na ilha de Floreana fizemos um snorkel especial, parecia que estávamos dentro de um aquário, nunca tinha visto tantos peixes variados juntos, foi uma experiência marcante.

Pelo fato de fazer a viagem de barco, na maioria dos lugares já acordávamos no local da atividade e isso proporcionava uma visitação tranquila e muito mais prazerosa, sem conflito com outros grupos. Por outro lado a vida a bordo é bem rígida nos horários. O café da manhã começa às 7hs e a primeira saída para visitação ou snorkel às 8hs. A tolerância é de no máximo 15 minutos e quem se atrasa acaba perdendo o passeio.

Quando ir para Galápagos

Para Galápagos não existe uma temporada única de visitação. Os animais podem ser vistos durante o ano todo em certa medida. Entre os meses de Dezembro e Junho é quando as temperaturas estão mais altas e o tempo mais úmido, com maior probabilidade de chuva. Nessa época os mares estão mais calmos e o tempo nas praias é mais agradável. As chuvas tendem a durar pouco tempo e a visibilidade embaixo d’água não fica prejudicada.

Na temporada entre Julho e Novembro as temperaturas ficam mais baixas, com máximas de 25 graus e mínimas de 17. O mar fica mais gelado, mas por outro lado existe mais abundância de vida marinha por conta da alta concentração de plankton e nutrientes nas águas.

sea lion

Esse paraíso pode ser visitado em qualquer época, com certeza você se surpreenderá com a vida selvagem desse lugar!

Para cima e avante!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest