Caminho do sol até Tietê

Caminho do sol até Tietê

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

Faz algum tempo que eu estava atrás de uma viagem de bike para fazer perto de São Paulo e fuçando na internet acabei descobrindo o Caminho do Sol. O trajeto original liga a cidade de Santana do Parnaíba até a cidade de Águas de São Pedro em um percurso de 241km, entre estradas de asfalto e de terra, dentro de propriedades rurais. O idealizador desse roteiro foi José Palma que decidiu criar algo parecido com o Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, onde as pessoas além de caminhar procuram também uma certa introspecção espiritual.

O Caminho Original

Para fazer o caminho original caminhando são necessários 11 dias, com uma média de 20km por dia. Já para quem pretende fazer o percurso de bike é possível fazer em 3 ou 4 dias. O ideal para essa viagem é fazer em 4 dias, pois tem muita estrada de terra que desgasta bastante e as distâncias são grandes entre uma cidade e outra. Recomendaria esse roteiro:

1° trecho: Santana de Parnaíba – Pirapora do Bom Jesus – Cabreúva – Itu  = 63 km
2° trecho: Itu – Salto – Elias Fausto – Capivari = 62 km
3° trecho: Capivari -– Mombuca – Monte Branco = 68 km
4° trecho: Monte Branco – Águas de São Pedro= 48 km

O Nosso Roteiro

No nosso caso decidimos fazer um percurso diferente para chegar na cidade de Tietê, onde um dos meus amigos tem casa. Esse roteiro encurtou bastante a viagem e decidimos que seria possível completar em apenas 2 dias. O primeiro dia faríamos o trecho entre Santana de Parnaíba e Salto, com quase 80km, e o segundo dia seria o trecho entre Salto e Tietê, com um pouco mais de 80km, totalizando cerca de 160km.

Mapa até Tietê
Mapa até Tietê

A Preparação

Para essa viagem é muito importante fazer uma revisão completa da bicicleta. Você vai enfrentar diversos tipos de terrenos e exigir bastante da bike. Tenha em mente que será necessário pedalar 80km por dia, com subidas de 3km de extensão e estradas de terra com muita areia e cascalho. Dessa forma é bom estar em forma e ter alguma rodagem anterior em cima da bike.

Procure ler bastante sobre a aventura antes de sair de casa. O ponto inicial da sua pesquisa pode ser o site oficial do Caminho do Sol. Existem outros relatos na internet sobre o trajeto original, além de tracklogs e vídeos.

Não se esqueça de equipar a bicicleta com itens de segurança e comprar equipamentos de reposição como câmeras de ar, anéis para corrente, lubrificante, jogo de chaves e kit de remendo para câmara e pneu.

Dia 1

O nosso grupo era pequeno, apenas eu e mais dois grandes amigos. Todos acostumados a pedalar e com as bicicletas reguladas. Saímos de São Paulo de carro em direção a Santana de Parnaíba com a ajuda de um conhecido. Em cerca de 40 minutos chegamos no ponto de saída, já na Estrada dos Romeiros (SP-312) e da Prefeitura da cidade. Fizemos os últimos ajustes nas bicicletas e começamos a pedalar com destino a nossa primeira parada que seria Pirapora do Bom Jesus, em um percurso de 16km em estrada asfaltada com pedaços sem acostamento. Em Pirapora fizemos algumas pequenas paradas para ver o Rio Tietê e a Igreja da cidade, além do Portal dos Romeiros que tem uma vista panorâmica da cidade.

Pirapora de Bom Jesus
Pirapora de Bom Jesus

De Pirapora seguimos para Cabreúva em um trajeto de 25 km de estrada de asfalto em ótimo estado. Esse trecho é bem gostoso de pedalar, o asfalto estava realmente novo, algumas descidas bem compridas e por um longo tempo acompanhamos o Rio Tietê e suas curvas. Chegamos em Cabreúva no horário do almoço e decidimos parar para comer alguma coisa antes de seguir viagem. Acabamos escolhendo um restaurante na praça central da cidade e a comida estava ótima, assim como o atendimento. Infelizmente não lembro o nome do local.

Cabreuva
Cabreuva
pneu murcho
Estrada de terra
pedalando para chegar em Salto

Não recomendo comer muito em Cabreúva, pois logo após deixar a cidade tem um trecho de subida pesada em uma estrada sem acostamento. A nossa próxima parada foi na cidade de Salto onde havíamos combinado de pernoitar. Esse trecho foi bem puxado, com cerca de 37km, muitas subidas e estrada de terra. Chegamos em Salto muito cansados e fomos direto em direção ao centro da cidade para procurar uma hospedagem. Acabamos encontrando um hotel (Rio Branco) bem razoável e decidimos ficar por lá. A diária do quarto simples é R$ 80, mas optamos em ficar em um quarto para três. Um banho rápido e saímos para comer uma pizza e conhecer a praça em frente ao Hotel.

Dia 2

Acordamos cedo e aproveitamos o café da manhã que estava incluso na diária do Hotel. Enchemos as garrafas de água e seguimos nosso rumo com destino a Elias Fausto, em um trajeto de 30km sendo a maioria em estrada de terra dentro de algumas propriedades particulares. Chegamos lá um pouco antes da hora do almoço (levou cerca de 2:20hs) e achamos melhor continuar a viagem e parar para comer somente em Capivari.

 

muita estrada de terra
estradas de terra
Antiga fazenda
Antiga fazenda

O trecho até Capivari passa por algumas fazendas e canaviais com terra bem batida, mas com algumas partes de areia e cascalho que dificultam muito a pedalada. É nesse trecho também que passamos pela placa que celebra a metade do caminho para quem tem Águas de São Pedro como destino final. Foram 18km até a entrada de Capivari onde decidimos parar para almoçar, justamente no entroncamento com a Rodovia SP-101 que foi nosso ponto de retirada da trilha original. Mais uma vez o almoço estava ótimo, comida caseira bem feita e preço justo.

No meio do caminho
No meio do caminho

Após um descanso merecido de vinte minutos resolvemos seguir viagem, agora em estrada asfaltada e com as barrigas devidamente cheias. Esse trecho final teve cerca de 32km e levou 2:20hs para ser vencido. O vento contrário soprava forte e nos segurava no asfalto, mas a alegria de saber que o final estava logo ali ajudava a manter a cadência e o ânimo do grupo. O segundo dia teve um total de 80km percorridos com 1082 metros de ganho de elevação e 1378 metros de perda de elevação.

Dicas

O Caminho do Sol é uma ótima alternativa para quem procura uma experiência em ciclo-turismo no Estado de São Paulo. A maioria do percurso é dentro de estradas vicinais e propriedades rurais.

Por todo o caminho existem setas amarelas indicando o caminho, mas é interessante levar um GPS para ficar despreocupado.

Não abuse do peso da sua mochila.

Faça a programação onde pretende parar para comer e dormir.

Se possível faça um upgrade do selim da sua bike. A bunda sofre um bocado nesse caminho.

Tenha sempre pelo menos 2 litros de água com você. Pegamos dois dias com muito sol e a água foi muito importante.

Não se esqueça de levar os equipamentos de manutenção da sua bike e faça uma revisão antes de sair.

Aqui esta o nosso tracklog para quem pretende fazer o percurso até Tietê.

Tem ônibus direto entre Tietê e São Paulo.

Para cima e avante!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest