Travessia do Saco das Bananas

Travessia do Saco das Bananas

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

A travessia do Saco das Bananas liga a praia da Caçandoca até a praia da Tabatinga em Caraguatatuba. Ela leva essa nome por conta da enorme quantidade de bananeiras em um trecho da trilha, realmente é possível viver de bananas por lá. Resolvi fazer essa aventura em uma pernada só, no sentido contrário, saindo da Praia da Tabatinga e seguindo para a Praia da Caçandoca. Convidei minha mãe para me acompanhar na caminhada e meu irmão resolveu fazer a travessia por mar, já que ele é um maluco pelo “Stand Up Paddle – SUP”.

A Trilha

Resolvemos começar cedo para poder aproveitar as praias e não pegar muito sol na cabeça no começo da trilha. Estávamos hospedados na Praia Vermelha do Sul que fica relativamente próxima da Tabatinga, cerca de 20 minutos de carro. Em pouco tempo estávamos estacionando o carro e ajudando meu irmão a colocar a prancha de SUP no mar. Eu e minha mãe seguimos nosso caminho em direção ao canto esquerdo da praia, onde há uma bifurcação e uma ponte para atravessar o Rio Tabatinga. Siga por essa ponte e pegue a segunda rua a esquerda (rua oito) e em seguida vire a direita em uma estrada de terra (no google R. João Manoel de Oliveira).

Nesse começo a trilha é bem larga como uma estrada de terra. Você passa por um sobe e desce de morros e um mirante com uma vista maravilhosa da praia da Figueira.Vista da Praia da Figueira

Após a praia da Figueira a trilha segue em direção a praia Ponta Aguda onde existe uma pequena estrutura para camping e estacionamento de carros. Como nós havíamos combinado de encontrar meu irmão na próxima praia, da Lagoa, decidimos não perder muito tempo e continuamos a caminhada. Mais uma subida e chegamos na parte de cima da praia da Lagoa. Atenção! Lá tem uma porteira com uma placa falando sobre a ilegalidade daquela propriedade. Conheço alguns amigos que passaram por esse terreno e tiveram problemas com os cachorros de lá. Eles são muito agressivos, principalmente com outros cachorros e a propriedade parece abandonada. Eu e minha mãe seguimos para baixo, em direção à praia onde combinamos de encontrar meu irmão. A praia da Lagoa é espetacular! Vale a pena descer para conhecer a praia e principalmente a lagoa que fica no canto esquerdo.

Praia da Lagoa

Praia da Lagoa

Chegando na Lagoa encontramos meu irmão que já havia chegado faz algum tempo. Resolvemos ficar lá e aproveitar aquele lugar incrível para nadar e comer um pouco. Acabamos ficando lá bastante tempo, e eu aproveitei para remar na lagoa com a prancha de SUP. Na saída acabamos cometendo um erro, optamos por não seguir o tracklog do GPS e tentar cortar o caminho para a próxima praia pelo costão. Seria uma economia grande de tempo, pois o GPS mandava voltar para a parte o interior da praia da Lagoa e seguir a trilha por lá. Foi uma decisão errada, pois acabamos presos no meio do mato e demoramos cerca de 2hs e meia para chegar até a praia do Simão. Acho que o nome do site “Mato Adentro” tem muito a ver com essa passagem! 😉 Foi realmente cansativo esse trecho e minha mãe acabou ficando muito cansada.

A praia do Simão ou do Frade como algumas pessoas chamam é ótima para camping e o ponto ideal de parada para quem pretende fazer essa travessia em 2 dias. A praia é bonita, tem um mar bem bravo e uma área grande plana e coberta por vegetação, perfeita para montar barraca. O único problema são os mosquitos que estão por toda parte e parecem invencíveis. Só consegui relaxar depois de passar o repelente “exposis” no corpo todo. Nessa praia também havíamos combinado de encontrar meu irmão, mas por conta do nosso atraso ele seguiu adiante. O sinal de celular não funciona em grande parte do percurso, por isso tivemos dificuldade em nos comunicar com ele, que acabou ficando preocupado e deixou um recado na areia para nós.

Praia do Frade

O restante da trilha até a praia da Caçandoca segue costeando a península, mas sem descer em nenhuma outra praia. No caminho passamos pelas bananeiras e também por algumas casas de caiçaras. O desnível não é muito acentuado, somente em alguns trechos a subida é mais pesada. Acabamos fazendo essa parte sem muitos registros fotográficos por conta do cansaço, mas todo o trajeto é muito bonito. No final, já quase chegando em Caçandoca é preciso fazer uma pequena escalaminhada até a areia, nada muito complicado. Na praia meu irmão já nos aguardava com o carro e um sorriso no rosto.

Recomendo fazer a trilha com um GPS para não correr riscos de se perder.

Aqui esta o link para o Wikiloc com vários tracklogs para o saco das bananas.

Não perca o relato do Daniel, meu irmão, sobre a travessia.

Como Chegar

Para chegar na Tabatinga de carro, para quem sai de São Paulo, deve descer a serra pela Rodovia dos Tamoios e pegar a Rodovia Rio Santos (SP-55) sentido Ubatuba. Após passar pelo condomínio Costa Verde tem um posto policial, já na praia da Tabatinga, na primeira rotatória pegar a direita e andar cerca de 1km até chegar na praia. Tente estacionar em alguma das ruas próximas ao canto da praia, onde começa a trilha.

Para quem vem de ônibus é só comprar uma passagem com destino a Ubatuba e descer na primeira rotatória depois do posto policial na Praia da Tabatinga.

Onde Ficar

Caso você queira pernoitar uma noite antes de iniciar a trilha existem algumas opções de hospedagem. A opção mais em conta seria ficar no Camping do João, ao lado do início da trilha. Lá você pode optar por acampar ou ficar em um dos apartamentos. Outra opção seria ficar em uma pousada como a Solar de Tabatinga, que também fica ao lado da trilha.

Dicas

  • não se esqueça de levar repelente Exposis (muitos borrachudos)
  • pelo menos 2 litros de água e clorin para tratar a água da trilha
  • GPS e tracklog da trilha
  • protetor solar (a trilha tem trechos muito expostos)
  • dinheiro para o ônibus

Para cima e avante!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest